31 DE DEZEMBRO 2017

JÁ VAI TARDE 2017, VAZA.




28 de dezembro 2017

2018 SERÁ DIFERENTE OU NÃO?



25 de dezembro 2017

FELIZ NATAL AOS NOSSOS INTERNAUTAS.




19 de dezembro 2017

JOHN JOHN É BICAMPEÃO

nfelizmente, faltou onda para Gabriel Medina na bateria contra o francês Jeremy Flores, que acabou garantindo o bicampeonato mundial de John John Florence com a vitória sobre o brasileiro nas quartas de final. Jeremy ainda carimbou a faixa do havaiano na final, para conquistar sua segunda coroa de campeão do Billabong Pipe Masters em memória a Andy Irons. Depois de festejar o título com a torcida que lotou a praia na segunda-feira, John John venceu sua última bateria na semifinal com o pernambucano Ian Gouveia, que ficou em terceiro lugar em sua primeira participação no Pipe Masters. Ele não conseguiu garantir sua vaga na elite, mas será o primeiro substituto dos top-34 no ano que vem, por ter terminado em 23.o lugar no ranking final do World Surf League Championship Tour 2017.

John John Florence (Foto: Tony Heff – WSL)

“Sempre foi meu sonho ganhar o título mundial aqui em casa”, disse John John Florence. “Eu fiquei muito nervoso neste evento e nem sei o que dizer, estou tremendo agora. Tanta gente veio aqui na praia torcer por mim e isso foi incrível. Foi um ano fantástico e acho que aprendi bastante sobre mim mesmo com toda essa pressão. Foi assustador ter alguém como o Gabriel (Medina) brigando pelo título, pois ele é um excelente surfista e um grande competidor. O que ele fez na Europa foi incrível, ganhou dois eventos seguidos e teria sido legal se tivéssemos feito a final aqui. Eu quase consegui ser um Pipe Masters, mas estou feliz pelo Jeremy Flores. A última onda dele foi insana e ele surfou muito bem o evento todo, então mereceu a vitória”.

Antes de perder pela segunda vez para Jeremy Flores na segunda-feira, Medina tinha feito a melhor apresentação do Billabong Pipe Masters esse ano. A maioria da torcida de John John Florence achava que Kelly Slater poderia encerrar a disputa do título mundial nessa bateria, mas Medina liquidou o maior ídolo do esporte logo nas duas primeiras ondas que surfou. Foram dois tubaços no Backdoor que valeram notas 8,90 e 9,07 para o brasileiro fazer o maior placar do ano em Pipeline, 17,97 pontos de 20 possíveis.

Gabriel Medina (Foto: Tony Heff – WSL)

No entanto, o mar estava bastante irregular na segunda-feira. Algumas baterias aconteciam com boas ondas, outras não e foi assim no confronto de Gabriel Medina com Jeremy Flores nas quartas de final. Na bateria anterior, John John Florence pegou altos tubos contra Julian Wilson e chegou perto do recorde de Medina com os 17,60 pontos que somou com notas 8,83 e 8,77. Depois, as ondas pararam de entrar e o francês conseguiu pegar o melhor tubo da bateria para acabar com a chance de bicampeonato do brasileiro por 12,76 a 6,04 pontos.

“Estou bem cansado agora, porque dei tudo de mim lá dentro d´água”, disse Gabriel Medina. “2017 foi um grande ano, apesar de uma lesão que tive no início do ano, que não foi bom pra mim, mas tentei fazer o meu melhor. Eu tive alguns resultados ruins, mas também consegui bons resultados. Foi um ano longo e é difícil lidar com estes altos e baixos, isso foi estressante, mas faz parte do jogo. Meu objetivo aqui era chegar na final, não consegui, mas no ano que vem estarei de volta com tudo de novo”.

Ian Gouveia (Foto: Tony Heff – WSL)

Com a derrota de Medina, dois brasileiros ainda tinham objetivos a atingir no Pipe Masters. Se chegasse na grande final, o potiguar Italo Ferreira tiraria o título de campeão da Tríplice Coroa Havaiana do norte-americano Griffin Colapinto, uma das novidades entre os top-34 do CT 2018. Italo entrou na bateria seguinte e a condição do mar ainda estava ruim, então arriscou até os aéreos e liderou o confronto até Kanoa Igarashi achar um tubo nota 7,67 para vencer por 9,57 a 8,67. Com isso, garantiu o título da Tríplice Coroa para o seu compatriota.

Em seguida começaram as semifinais com Ian Gouveia enfrentando o novo bicampeão mundial John John Florence. O pernambucano precisava vencer o campeonato para conseguir a última vaga para o CT 2018 e vinha fazendo grandes apresentações em sua primeira participação nos tubos de Pipeline e Backdoor. Tinha derrotado outro campeão mundial, Joel Parkinson, e achou dois tubos na difícil condição do mar para liderar o duelo com o havaiano até o fim com notas 6,83 e 5,50.

John John Florence (Foto: Poullenot – WSL)

No entanto, John John acha uma onda no último minuto no Backdoor, passa por dentro de um tubo mais longo e ainda manda um aéreo para ganhar nota 8,73 e avançar para a grande final por 12,56 a 12,33 pontos. Esse era o resultado que John John precisava para garantir seu segundo título mundial por ele mesmo. Poderia ter fechado a temporada com chave de ouro com sua primeira coroa de Pipe Masters, mas o francês Jeremy Flores não deixou.

O havaiano ainda surfou o melhor tubo da bateria, recebeu a maior nota e somou o 8,93 com 7,23, descartando um 7,03 da sua última onda. Jeremy só reagiu no final, entrando na briga com um tubo 7,90 e conseguiu a virada com o 8,33 recebido no último que surfou, mudando o resultado para 16,23 a 16,16 pontos. O francês chegou no Havaí com sua vaga ameaçada na elite e saltou da 19.a para a 15.a posição no ranking com sua segunda vitória no Billabong Pipe Masters. E conseguiu isso derrotando os dois melhores surfistas da temporada.

Jeremy Flores (Foto: Poullenot – WSL)

“Ganhar o Pipe Masters contra o John John Florence assim, no Backdoor perfeito com uma onda nos últimos segundos, foi demais”, disse Jeremy Flores. “Eu nem poderia sonhar com uma maneira melhor de vencer o Pipe Masters. Parabéns ao John John e ao Gabriel (Medina), vocês estão em outro nível. Meu objetivo era vencer esse evento, mas conseguir isso é muito louco. Para ser sincero, eu não gosto de ser aquele cara que entra na briga de um título decisivo. É por isso que, honestamente, me senti mal quando ganhei do Gabriel. Deveria ser um confronto entre eles, pois esses caras trabalham muito duro também. Eu só queria um bom resultado para não sair do CT e acabei conseguindo ganhar este título para a França, então estou feliz porque isso não acontece muitas vezes”.

Ele já começou a segunda-feira ganhando de virada também na última onda que pegou nos minutos finais da bateria contra os brasileiros Gabriel Medina e Italo Ferreira, que valia a terceira vaga direta para as quartas de final. A primeira foi conquistada por Ian Gouveia, que pegou todos os tubos que entraram nas esquerdas de Pipeline no primeiro confronto do dia, contra o australiano Julian Wilson e o norte-americano Conner Coffin. A segunda quase que Caio Ibelli manda John John Florence para a repescagem, mas o havaiano achou um tubo no final para derrotar o brasileiro como fez contra Ian Gouveia nas semifinais.

Caio Ibelli (Foto: Poullenot – WSL)

Caio Ibelli depois foi batido por Julian Wilson e terminou em nono lugar no Billabong Pipe Masters. Já Gabriel Medina não deu qualquer chance para Kelly Slater e Italo Ferreira despachou Leonardo Fioravanti, com o italiano não conseguindo surfar nenhuma onda nos 30 minutos da bateria que definiu o último classificado para as quartas de final. Elas foram iniciadas em seguida com Ian Gouveia eliminando Joel Parkinson, mas Medina e Italo perderam suas baterias e ficaram em quinto lugar no Billabong Pipe Masters.

FESTEJANDO CONQUISTAS – Além de John John Florence e Jeremy Flores, outros surfistas festejaram conquistas no último dia do World Surf League Championship Tour 2017. O norte-americano Griffin Colapinto ficou com o título da Tríplice Coroa Havaiana e o australiano Connor O´Leary com o prêmio de “Rookie of the Year”, o melhor estreante da temporada. Outro que também comemorou foi o norte-americano Patrick Gudauskas, que vai retornar a elite no ano que vem porque o potiguar Italo Ferreira entrou no grupo dos 22 primeiros do ranking que são mantidos no CT e dispensou sua vaga no G-10 do QS para o californiano.

Italo Ferreira (Foto: Poullenot – WSL)

Como o pernambucano Ian Gouveia não conseguiu ingressar nos top-22, a “seleção brasileira” terá dez surfistas disputando o título mundial em 2018, um a mais do que nesse ano. Os campeões mundiais Gabriel Medina e Adriano de Souza, Filipe Toledo, Caio Ibelli e Italo Ferreira, foram os que permaneceram na elite e cinco novidades se classificaram pelo QS, o paulista Jessé Mendes, os catarinenses Tomas Hermes, Yago Dora, Willian Cardoso e o cearense Michael Rodrigues.

Os que saíram do time e vão ter que disputar o WSL Qualifying Series no ano que vem foram o pernambucano Ian Gouveia, que será o primeiro substituto dos tops de 2018, os paulistas Miguel Pupo e Wiggolly Dantas e o potiguar Jadson André. Ian terminou em 23.o lugar no ranking, Pupo em 25.o, Wiggolly em 26.o e Jadson em 32.o. Dos quatro rebaixados para o QS, o que ficou em melhor posição foi Ian Gouveia, que será o primeiro a ser chamado para substituir qualquer ausência de tops da elite no ano que vem.

Jeremy Flores e John John Florence (Foto: Kelly Cestari – WSL)

O último desafio do World Surf League Championship Tour 2017 foi transmitido direto do Havaí pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo da WSL e no Facebook Live através da página da World Surf Lefague no Facebook, com o Billabong Pipe Masters passando ao vivo também pela ESPN+ e Globoesporte.com no Brasil, CBS Sports Network nos Estados Unidos, Fox Sports na Austrália, SKY NZ na Nova Zelândia, SFR Sports na França e em Portugal e EDGE Sports Network na China, Japão, Malásia e outros territórios asiáticos.

Bicampeão: John John Florence (HAV) – 59.600 pontos

02: Gabriel Medina (BRA) – 53.700

03: Julian Wilson (AUS) – 48.650

04: Jordy Smith (AFR) – 47.600

05: Matt Wilkinson (AUS) – 40.700

06: Owen Wright (AUS) – 39.850

07: Kolohe Andino (EUA) – 37.250

08: Adriano de Souza (BRA) – 36.600

09: Joel Parkinson (AUS) – 36.550

10: Filipe Toledo (BRA) – 35.450

11: Sebastian Zietz (HAV) – 34.450

12: Mick Fanning (AUS) – 33.000

13: Connor O´Leary (AUS) – 29.950

14: Frederico Morais (PRT) – 29.900

15: Jeremy Flores (FRA) – 29.700

16: Adrian Buchan (AUS) – 27.750

17: Kanoa Igarashi (EUA) – 27.200

18: Caio Ibelli (BRA) – 25.250

19: Michel Bourez (TAH) – 24.950

20: Conner Coffin (EUA) – 24.500

21: Joan Duru (FRA) – 23.400

22: Italo Ferreira (BRA) – 22.400


06 de dezembro 2017

HAWAII, A HORA DA VERDADE.

O prazo do Billabong Pipe Masters em memória a Andy Irons, começa na sexta-feira e tem até o dia 20 de dezembro para fechar a temporada 2017 do World Surf League Championship Tour. Os surfistas já estão escalados e o havaiano John John Florence e o brasileiro Gabriel Medina vão tentar o bicampeonato mundial, mas o sul-africano Jordy Smith e o australiano Julian Wilson têm chances de conseguir o primeiro título deles esse ano. Também em Banzai Pipeline será definida a lista dos top-34 que vão disputar o CT 2018 e a briga pelas últimas vagas no grupo dos 22 que são mantidos na elite, vai envolver quatorze surfistas na parte de baixo da tabela.

John John Florence (Foto: Poullenot – WSL)

A batalha principal pelo título mundial está mais concentrada em John John Florence e Gabriel Medina, que venceu as duas etapas da perna europeia na França e em Portugal, última parada antes da grande final no templo sagrado do esporte na ilha de Oahu. O havaiano tem 53.350 pontos no ranking e o brasileiro está com 50.250, precisando no mínimo chegar nas quartas de final para atingir 53.700. John John confirma o bicampeonato consecutivo se chegar na final do Billabong Pipe Masters, o que ainda não conseguiu.

No entanto, se o havaiano parar nas semifinais, por exemplo, Medina ainda tem chance de lhe tirar o título se vencer o campeonato, o que ele também não conseguiu ainda, apesar de já ter feito duas finais em Banzai Pipeline. A primeira perdeu para Julian Wilson depois de festejar o título mundial em 2014. No ano seguinte, a decisão foi brasileira e Medina já tinha conquistado a Tríplice Coroa Havaiana e garantido o título mundial de Adriano de Souza ao barrar Mick Fanning nas semifinais. Mineirinho depois ganhou a coroa do Pipe Masters.

Gabriel Medina (Foto: Masurel - WSL)
Gabriel Medina (Foto: Masurel – WSL)

John John Florence pode ir dificultando as chances de Gabriel Medina a cada bateria que vencer em Pipeline. Se passar pela terceira fase, obriga o brasileiro a chegar na final para supera-lo. Se ganhar mais uma e avançar para as quartas de final, Medina já vai precisar vencer o campeonato, mesma situação se o havaiano chegar nas semifinais. Já os outros dois concorrentes, John John tira Julian Wilson da briga se passar pela terceira fase e acaba com as chances de Jordy Smith se avançar para as quartas de final.

VAGAS NO CT 2018 – Na parte de baixo da tabela, a briga pelas últimas vagas para o CT 2018 promete ser intensa também. Serão cinco surfistas defendendo suas permanências no G-22, Caio Ibelli (18.o lugar), Jeremy Flores (19.o), Kanoa Igarashi (20.o), Conner Coffin (21.o) e Bede Durbidge (22.o). Entre os nove que podem superar as pontuações atuais deles no ranking, a melhor chance é para os três brasileiros que estão na porta de entrada da zona de classificação, Miguel Pupo (23.o lugar), Wiggolly Dantas (24.o) e Italo Ferreira (25.o). Para eles, a condição mínima é passar da terceira fase no Havaí, ou seja, ganhar duas baterias para garantir 4.000 pontos do nono lugar no Billabong Pipe Masters.

 

















PRIMEIRA FASE DO BILLABONG PIPE MASTERS:

1.a: Matt Wilkinson (AUS), Jeremy Flores (FRA), Jadson André (BRA)

2.a: Owen Wright (AUS), Kanoa Igarashi (EUA), Josh Kerr (AUS)

3.a: Julian Wilson (AUS), Conner Coffin (EUA), Stuart Kennedy (AUS)

4.a: Jordy Smith (AFR), Bede Durbidge (AUS), Ethan Ewing (AUS)

5.a: Gabriel Medina (BRA)Miguel Pupo (BRA), convidado

6.a: John John Florence (HAV), Wiggolly Dantas (BRA), convidado

7.a: Adriano de Souza (BRA)Caio Ibelli (BRA), Jack Freestone (AUS)

8.a: Kolohe Andino (EUA), Joan Duru (FRA), Kelly Slater (EUA)

9.a: Filipe Toledo (BRA), Michel Bourez (TAH), Ezekiel Lau (HAV)

10: Sebastian Zietz (HAV), Adrian Buchan (AUS), Ian Gouveia (BRA)

11: Joel Parkinson (AUS), Connor O´Leary (AUS), Leonardo Fioravanti (ITA)

12: Mick Fanning (AUS), Frederico Morais (PRT), Italo Ferreira (BRA


05 DE DEZEMBRO 2017

BAÍA FORMOSA, AONDE O SURFE NUNCA PARA.

Veja galeria especial do último swell nessa importante cidade
do Surfe potiguar.




03 de dezembro 2017

BRASIL ENTRA RASGANDO TUDO NO WQS.

A Vans World Cup of Surfing fechou o WSL Qualifying Series 2017 neste sábado no Havaí, com o Brasil conquistando seis das dez vagas para a elite dos top-34 que vai disputar o título mundial de 2018 no Championship Tour. O último a ser confirmado foi o cearense Michael Rodrigues, que ficou ameaçado de sair do G-10 até o último minuto das semifinais. Foi quando seu último concorrente, Patrick Gudauskas, terminou em quarto lugar na bateria e tiraria o brasileiro da lista se tivesse ficado em terceiro pelo menos.

Conner Coffin (Foto: Tony Heff – WSL)

Os outros classificados foram o paulista Jessé Mendes, os catarinenses Tomas Hermes, Yago Dora, Willian Cardoso e o potiguar Italo Ferreira. Os norte-americanos também festejaram no último dia, com Griffin Colapinto tirando o primeiro lugar no ranking final do QS 2017 do brasileiro Jessé Mendes, Conner Coffin vencendo a World Cup e Kolohe Andino sendo o vice-campeão. O australiano Wade Carmichael ficou em terceiro lugar e o próprio Colapinto em quarto no QS 10000 de Sunset Beach.

O jovem Griffin Colapinto, 19 anos, também ganhou uma batalha direta pela liderança da Tríplice Coroa Havaiana com Wiggolly Dantas nas semifinais. Na primeira etapa desta competição especial que fecha a temporada da World Surf League na ilha de Oahu, o californiano ficou em segundo lugar na decisão do Hawaiian Pro e o Wiggolly em terceiro. O campeão Filipe Toledo não competiu em Sunset, então a briga pela ponta era entre os dois.

Griffin Colapinto (Foto: Tony Heff – WSL)

A bateria foi logo dominada por Colapinto e por Wade Carmichael, que atacou uma onda com seu “power surf” agressivo para ganhar 9,57 dos juízes. Mas, o norte-americano liderou desde o início com as notas 6,17 e 8